Madge Gill

“COLEÇÃO CEPROVI PARA LEILÃO”

AUTENTICIDADE

ORIGEM

AVALIAÇÃO.

Madge Gill (Londres, Inglaterra, 1882-1961)O.S.C  71 x 34 cm

SUMARIO

INTRODUÇÃO ………………………………………………………………………………………………..01

RESUMO DA BIOGRAFIA DO PINTOR ……………………………………………………………02

ANALISE DA OBRA ………………………………………………………………………………………..03

PESQUISA DE VENDA E FONTES DE PESQUISA …………………………………………….04

CONCLUSÃO DA AVALIAÇÃO ………………………………………………………………………05

CURRICULUM DO AVALIADOR………………………………………………….06

ANEXOS…………………………………………………………………………………..07

 

1-   INTRODUÇÃO

 

Trata-se o presente de trabalho “Pró Bono” para análise da autenticidade e avaliação de 9(nove) obras de arte da denominada “coleção ceprovi para leilão”.

Em entrevista com o proprietário, constatou-se que as obras indicadas pertenciam a coleção privada de família tradicional de São Paulo, ficando sob seu domínio até sua aquisição pelo proprietário atual.

Realmente menciono que que em caso de coleções particulares, em que as obras estão no domínio de famílias por tempos, e que muitas vezes foram doadas informalmente pelos próprios autores dos trabalhos ou colecionadores, não é costumeira a busca e guarda de certificados, mas quando da eventual comercialização, é recomendável essa prática, fatos que devem ser considerados na presente avaliação apenas por mera argumentação.

No presente trabalho será considerado para segmentação de ‘período criativo’  o seguinte esquema: a) "Velhos Mestres" – obras de artistas nascidos antes de 1759; b) "Século XIX" – obras de artistas nascidos entre 1760 e 1859;c) “Arte Moderna” – obras de artistas nascidos entre 1860 e 1919;d)"Arte do pós-guerra" – obras de artistas nascidos entre 1920 e 1944;d)“Arte Contemporânea” – obras de artistas nascidos após 1945; e) Século XIX e Arte Moderna: artistas nascidos de 1760 a 1920.

Menciona-se que as obras-primas do século XIX e da primeira metade do século XX são mercadorias cada vez mais raras; mas quando surge a oportunidade, os colecionadores estão dispostos a pagar preços altos para adquiri-los. Experimentando um claro desequilíbrio entre oferta e demanda, a falta de peças excepcionais de Picasso ou Modigliani – as duas assinaturas que alcançaram resultados acima dos US $ 100 milhões em 2018 – teve um efeito geralmente amortecedor sobre as vendas. Apenas uma pintura de Claude MONET (1840-1926) ultrapassou o limite de US $ 100 milhões.

O "pai" da arte moderna, Paul Cézanne, o "inventor" da abstração Wassily Kandinsky, o mestre surrealista René Magritte, ou mesmo o principal futurista, Umberto Boccioni, foram apenas algumas das figuras-chave da arte ocidental que obtiveram excelentes resultados em 2019, gerando ganhos de capital substanciais e estabelecendo novos recordes, mas também refletindo um interesse crescente em obras consideradas “atrasadas”…

 

 

 

 

Na ausência de obras-primas dos períodos Azul, Rosa, Cubista ou 1930, os trabalhos posteriores de  Pablo PICASSO (1881-1973) suscitaram considerável interesse dos colecionadores. A Sotheby’s se beneficiou disso com a venda de Femme au chien , um retrato de Jacqueline Roque, pintado em 1962. O trabalho dobrou sua baixa estimativa para alcançar US $ 55 milhões, um recorde para o Picasso dos anos 60, mas uma evolução natural para o mundo mais influenciado. artista de demanda (com 3.200 lotes vendidos em 2019).

A longo prazo, a acumulação de valor do trabalho de Pablo Picasso tem sido excepcionalmente sólida. O preço de seu  Femme dans un fauteuil (Françoise) aumentou US $ 10 milhões entre 2000 (US $ 3,3 milhões) e 2019 (US $ 13,3 milhões).

Da mesma forma, com relação a  Paul CÉZANNE (1839-1906), cuja chaleira com frutas (1888-1890) dobrou de valor em apenas 20 anos, passando de US $ 29 milhões em 1999 para US $ 59 milhões no ano passado.

O melhor resultado do leilão de arte do ano premiou uma pintura impressionista de Claude Monet, vendida por US $ 111 milhões na Sotheby’s, em Nova York. Desde sua última aparição em leilão em 1986 (quando alcançou US $ 2,5 milhões), a excelente  pintura de Meules (datada de 1890) multiplicou seu valor em nada menos que 44 vezes.

O resultado não foi apenas um recorde para Monet, foi um novo recorde para todo o movimento impressionista e representou o 10º melhor leilão de arte de todos os tempos.

A venda coroou um mercado extremamente dinâmico em 2019, com uma taxa não vendida particularmente baixa: menos de uma em cada dez obras de Claude Monet permaneceu não vendida. O valor mais baixo de seu mercado troca desenhos por cerca de US $ 20.000.

Na mesma argumentação de valorização, verifica-se que o vampiro da meia-noite de Nara  (2010) também sugere que o preço de suas grandes pinturas dobrou nos últimos dois anos: US $ 2,2 milhões – 25 de novembro de 2017 – Christie’s, Hong Kong; para US $ 4,7 milhões – 7 de outubro de 2019 – China Guardian, Hong Kong.

Notadamente o método principal para a presente avaliação, decerto será o comparativo de mercado, na estrita obediência à "lei da oferta e procura", e claro se levará em conta a mencionada histórica valorização.

 

 

 

Neste prisma, cabe mencionar que  o mercado estabelece que podem coexistir três preços para a mesma obra de arte: o primeiro é o preço de ateliê, aquele que o marchand ou galerista paga ao artista adquirindo-lhe a obra, para depois revendê-la; o segundo é o preço final, o pago pelo consumidor final, aquele sugerido pelo artista, para a venda dos seus trabalhos nas galerias; e o terceiro é o preço de mercado, aquele que resulta da análise profissional, portanto subjetiva, de um somatório de aspectos diretos e indiretos relacionados àquela obra, chegando a um valor monetário que, geralmente, fica muito próximo à média dos preços alcançados nos leilões de arte, em trabalhos semelhantes do artista.

O mais importante, evidentemente, é a análise sobre o artista, seja no que tange a respeito da oferta e procura dos seus trabalhos, seja na sua importância no cenário artístico, formação profissional, curriculum vitae do artista entre outros requisitos.

Finalmente se fará à análise direta do trabalho, contendo analise da autenticidade (coa); se verificará em seguida se ele está assinado – e bem assinado -, considerando que a ausência ou problemas na assinatura pode desvalorizar a obra em análise, mesmo sendo de inequívoca autenticidade; procedência do quadro, registros fotográficos em livros e catálogos de arte; estado de conservação do trabalho e processos de restauro, de vez que o excesso de restauros ou em sendo localizados em partes fundamentais da pintura, pesam muito desfavoravelmente quando se procura lhe dar um valor monetário; a técnica usada pelo artista, dimensões adequadas ou inadequadas para o tipo de trabalho; tipicidade ou não do tema; se aquela fase do artista é valorizada pelo mercado, independentemente de ser antiga ou atual, já que cada artista tem a sua peculiaridade; se a pintura analisada é importante, em se considerando o cenário político, social e iconográfico da época em que foi executada; a qualidade do material que foi usado e a sua projeção de durabilidade.

Tudo isso tem que ser analisado em confronto com os modismos do mercado e a conjuntura econômica daquele momento – que podem mudar da noite para o dia.

 

2-   RESUMO DA BIOGRAFIA DO PINTOR

 

Madge Gill (nascida Maude Ethel Eades; 1882-1961) é uma das mais aclamadas artistas espiritualistas e é considerada por alguns comentaristas como a personificação da arte autodidata. [Image at right] Seu trabalho foi defendido por Jean Dubuffet, André Breton e vários defensores da arte brut, automatismo psíquico e criatividade não mediada. Outros espiritualistas a precederam na criação de obras mediúnicas (por exemplo, Victor Hugo, Vitorien Sardou, Georgiana Houghton, David Duguid, Hilma af Klint, Augustin Lesage, etc.), mas a produção artística prolífica de Gill tem sido cada vez mais reconhecida, com exposições e publicações. internacionalmente.

Durante sua vida, Gill criou milhares de obras de arte, no que ela descreveu como um estado de transe mediúnico. Sua arte é caracterizada por padrões geométricos rodopiantes e intrincados desenhos, ziguezagues e áreas quadriculadas, espirais e labirintos, escadas e formas arquitetônicas, com faces femininas flutuando, observando as formas ectoplasmáticas em cascata de suas composições.

O trabalho de Gill revela os reinos sobrenaturais que ela imaginou e artisticamente prestados durante seus estados em transe. Seus trabalhos não eram considerados primariamente como expressões artísticas, mas vistos como prova de comunicação com outros reinos, pois os projetos eram guiados pela intervenção dos seres espirituais.

Como outros espiritualistas, Gill não atribuiu sua arte às suas próprias habilidades, mas considerava-se um vaso físico através do qual o mundo espiritual poderia ser expresso.

A manifestação de “provas” físicas foi um aspecto importante do movimento espírita inicial, fornecendo evidências do mundo espiritual, seja através de batidas misteriosas (como no caso das irmãs Fox inicialmente), do virar de mesa, da aparência de ectoplasma, espiritualista, desenhos e pinturas, escrita automática através do uso de plaquetas, fotografia de espírito ou outros tipos de materialização.

As manifestações físicas produzidas através das práticas espíritas caracterizavam-se pelo fenômeno do automatismo, no qual a personalidade do indivíduo é subordinada à do espírito e o médium se torna um condutor, comunicando mensagens ou espontaneamente produzindo arte e escritos que estão fora de si. controle consciente.

Como observa Massimo Introvigne, existem pelo menos três tipos distintos de arte espiritual: 1) obras “precipitadas” que aparecem aparentemente sem o uso de mãos humanas, com os espíritos que se acredita que produzem a arte diretamente; 2) retratos de espíritos que dizem estar presentes durante sessões que são então pintadas por médiuns; e 3) obras de arte produzido por médiuns cujas mãos são guiadas por espíritos (Introvigne 2017).

A arte de Gill se encaixa na terceira categoria, pois suas obras foram atribuídas à orientação e controle direto do reino espiritual. [Imagem à direita] Embora sua arte consista principalmente em visões do mundo espiritual, também inclui referências a princípios espirituais específicos.

Gill nasceu (como Maud Ethel Eades) em janeiro 19, 1882 fora do casamento em Walthamstow (o East End de Londres) para Emma Elizabeth Eades e um pai sem nome.

Sua mãe, Emma, ​​com vinte e seis anos na época, foi mandada para a casa de Joseph e Sarah Leakey para evitar a vergonha pública em relação ao filho ilegítimo. Emma acabou voltando a morar com os pais, mas a jovem Maud foi cuidada pelos Leakey que foram pagos para serem seus cuidadores de 1882-1891.

Em setembro, 1891 Maud se mudou brevemente com sua tia Kate Gill, mas não pôde apoiá-la e, aos nove anos de idade, Maud foi enviada para a casa de meninas do Dr. Barnard em Barkingside. Neste orfanato, ela aprendeu várias habilidades domésticas e freqüentou aulas bíblicas, que mais tarde influenciaram sua arte.

Em 1896, Maud foi enviada ao Canadá com outros órfãos britânicos como parte de um programa de trabalho destinado a oferecer às crianças pobres “oportunidades” não disponíveis na Inglaterra.

Ela trabalhou como empregada doméstica e trabalhadora rural para várias famílias durante este tempo, ficou com saudades de casa e desejou retornar à Inglaterra, o que ela fez em novembro 1900.

Ao retornar, ela foi contratada como enfermeira e em 1904 morou novamente com sua tia viúva, Kate Gill, no leste de Londres. Um praticante de médium espírita, Kate conduziu sessões espíritas e acredita-se que ela tenha inspirado o interesse de Maud no Espiritismo, embora Maud possa ter sido apresentada a tais crenças anteriormente por sua avó espiritualista Caroline Eades (Ayad 2013).

Durante esse tempo, Maud começou um relacionamento com o filho de Kate, Tom Gill, e eles se casaram no 1907. Maud agora se chamava Madge Gill. Embora seu casamento tenha sofrido e ela sofresse de vários problemas de saúde, Madge Gill deu à luz três filhos, Laurie, Reggie e Bob, entre 1906 e 1913.

Durante os primeiros anos de sua vida, Gill experimentou considerável adversidade, e de 1918 a 1921 sua vida foi ainda mais atormentada por traumas, luto e doenças graves. Em 1918, seu filho Reggie morreu na pandemia de gripe com a idade de oito anos, e na mesma época todos os dentes de Gill foram removidos por causa de envenenamento séptico para suas gengivas.

Em 1920, seu olho esquerdo foi removido e substituído por um copo, após o diagnóstico de sarcoma melanótico.

No 1921, grávida e esperando por uma filha, Gill deu à luz uma menina biológica.

A mãe de coração partido quase morreu de complicações durante o trabalho de parto, e ela ficou gravemente doente por meses, sofrendo de depressão contínua e, possivelmente, um colapso nervoso. [Imagem à direita] Durante três meses no 1922, Gill tornou-se paciente do Hospital Lady Chichester por “problemas mentais, que incluíam ouvir vozes e ter visões dia e noite (Ayad 2013; Cardinal nd).

No início de março 1920, Gill foi inspirado a criar coisas depois de experimentar “uma presença” e ter uma visão de Cristo nas nuvens. Ela recebeu instruções divinas para escrever um livro de "Ritos Judaicos" e depois para criar arte, que incluía desenhos, pinturas, tricô, bordados, tapeçaria, vestidos, toalhas de mesa e piano. Como ela descreveu mais tarde,

Eu então tive uma inspiração para pegar minha caneta e fazer todo tipo de trabalho de um tipo artístico. . . . Levou várias formas. . . . Senti-me impelido a executar desenhos em larga escala em chita. Eu simplesmente não podia deixar e fiz em média 20 fotos por semana, todas em cores. . . . Senti que definitivamente fui guiado por uma força invisível (Cardeal 1972: 135).

Não está claro se Gill participou de sessões para se comunicar com seus filhos falecidos durante este tempo, mas em meados dos 1920s a força invisível que guiou seu trabalho foi identificada como o espírito Myrninerest, um nome que aparece como uma assinatura em muitos de seus desenhos. (muitas vezes na parte de trás de cartões postais e pedaços de papel), e que pode ser derivado de "Meu-íntimo-descanso" ou "Meu íntimo interior".

Na publicação, "Myrninerest the Spheres", o filho de Gill Laurie descreve os estados mediúnicos de sua mãe e relembra seus processos artísticos, com referências a noções espiritualistas e teosóficas. Estes incluem Progressão Espiritual, símbolos antigos, línguas perdidas, inscrições sagradas, mitologia egípcia, hieróglifos, cálculos astrológicos e a Bíblia (Gill 1926; Tibet e Boxer 2013: 1-5).

 

 

Além de seus pequenos pedaços, Gill criou enormes obras em rolos desenrolados de tecido de chita simples, alguns dos quais tinham mais de nove metros de comprimento. Essas peças enormes foram feitas de maneira espontânea, enquanto Gill desenrolava o tecido pouco a pouco à medida que avançava.

O processo de criatividade e os estados de transe transcendentes relacionados cativaram Gill, enquanto ela similarmente compunha seus desenhos rapidamente e de maneira não planejada. Ela passou por uma pilha de folhas de papelão 100 e encheu mais de uma dúzia delas com seus desenhos em uma noite. Ao longo de toda a sua vida, Gill criou milhares de desenhos, muitas vezes trabalhando na escuridão ou com pouca luz tarde da noite. Quando seu filho Bob se tornou inválido por dois anos depois de quebrar o pescoço em 1931, ela ficou ao seu lado cuidando dele e desenhando ou escrevendo durante a noite toda (Ayad 2013; Cardeal 1972: 137).

Quando perguntada sobre sua arte e sua enorme produção, Gill explicou que ela era apenas uma médium, e que todo design e ideia vinham de seu guia espiritual, Myrninerest.

Ao examinar seus milhares de desenhos, uma imagem aparece repetidamente: uma mulher com um olhar distante nos olhos, um nariz delicado e lábios minúsculos, muitas vezes em um chapéu elegante, cercados por formas fluidas e formas geométricas.

A expressão enigmática nos olhos e na face desta figura recorrente aparece como melancólica, temerosa ou assustada, enquanto em alguns instâncias parece curioso, calmo ou satisfeito.

De acordo com Gill, cada um desses rostos tinha significados, mas ela nunca especificou o que eles eram.

Essas figuras femininas sempre presentes e desencarnadas podem retratar o guia espiritual de Gill, ou sua filha perdida, ou sua mãe ausente, ou as meninas do orfanato de sua infância; ou podem representar retratos da própria Gill, ou de um alter ego sobrenatural, retirados das tribulações de sua vida.

Durante um período intensamente traumático na vida de Gill (a morte de seu filho, doenças devastadoras, desfiguramento, a morte de sua filha e seu casamento em desintegração), seu envolvimento em atividades mediúnicas forneceu consolo e foi um catalisador para a criatividade.

 

A participação de Gill no Espiritismo forneceu um caminho que a ajudou a confrontar suas experiências de abandono na infância, a perda de entes queridos, doenças e outras crises da vida, e criou a possibilidade de cura e bem-estar em algum grau.

Os significados espirituais e os aspectos pessoalmente terapêuticos da arte de Gill são indicados pelo fato de que ela tinha pouco interesse em vender ou preservar seu trabalho, respondendo que não era dela para vender, pois pertencia a Myrninerest.

Depois que ela morreu em janeiro 1961, milhares de desenhos foram encontrados em sua casa, em pilhas que foram empilhadas debaixo de camas e em armários, muitas vezes rasgadas ou em condições danificadas. Muitas dessas obras foram posteriormente doadas por seu filho Laurie ao East Ham County Borough Council, enquanto outras foram vendidas em leilão.

A arte de Gill foi subsequentemente celebrada como o epítome da arte brut (“arte bruta”) por numerosos entusiastas, incluindo Jean Dubuffet (1901-1985), que na 1948 fundou a Compagnie de l’Art Brut em Paris. A organização de Dubuffet dedicava-se a coletar e preservar tal arte (posteriormente denominada “arte de fora”), aquelas obras criadas por pessoas livres de treinamento artístico formal, cuja produção era “não contaminada” pela cultura da academia e existia em uma “autêntica cultura”. ”

Fora das normas culturais. Dubuffet incluiu a arte de Gill em sua coleção, assim como a de outros espiritualistas como Augustin Lesage, Laure Pigeon, Jeanne Tripier e Raphaël Lonné.

Nos últimos anos, o trabalho de Gill também tem sido exibido em vários contextos de arte brut e outsider internacionalmente, e inspirou vários artistas e músicos. Estes incluem o cantor britânico David Tibet, cujo grupo Myrninerest lançou o álbum: "Jhonn", pronunciou Babilônia (2012) e que co-publicou um livro de postais de Gill intitulado MYRNINEREST (Tibet e Boxer 2013).

O trabalho de Gill é singular em sua maestria e complexidade, e embora expresse uma visão exclusivamente privada, não é inteiramente "fora" da cultura, como foi produzido dentro do contexto do Espiritismo, um movimento religioso global que atraiu milhões de crentes.

As primeiras experiências numinativas de Gill podem ou não ter ocorrido independentemente das influências espíritas, mas ao longo dos anos ela desenvolveu uma reputação em seu bairro de Upton Park como um médium espírita que realizava sessões espíritas em sua casa, falava com guias espirituais, criava mapas astrológicos, fazia horóscopos, usava o largo Ouija e oferecia profecias a seus vizinhos.

Dentro da tradição do espiritismo, Gill não estava apenas criando arte; seu trabalho era uma comunhão com entidades espirituais que oferecia sabedoria, cura, orientação e a possibilidade de transcendência.

 

3-   ANALISE DA OBRA

 

A obra apresenta desgaste, todavia a pintura não está comprometida, estando preservada, estando no geral em estado regular de conservação, fotografada e certificada pelo leiloeiro.

 

4-      PESQUISA DE VENDA E FONTES DE PESQUISA

 

Menciona-se que devido a diminuição da disponibilidade de obras do período e do artista traz potencial para valorização.

 

Pesquisado leilão:

https://www.artprice.com

 

REFERÊNCIAS

 

Ayad, Sara. 2013. "Madge Gill: A Cronology". Madge Gill: Média e Visionária: Exposição Retrospectiva, 5 Outubro 2013 – 26 Janeiro 2014editado por Mark De Novellis. Twickenham, Reino Unido: Orleans House Gallery.

Cardeal, Roger. 1972. Arte Outsider. Londres: Studio Vista.

Cardeal, Roger. nd “A Vida de Madge Gill.” Acessado em http://madgegill.com/Biography no 12 December 2017.

De Novellis, Mark, ed. 2013. Madge Gill: Média e Visionária: Exposição Retrospectiva, 5 Outubro 2013 – 26 Janeiro 2014. Twickenham, Reino Unido: Orleans House Gallery.

Gill, Laurie. 1926. “Myrninerest the Spheres.” Não. 1 (março). Folha larga. Publicação privada.

Grant, Simon, Lars Bang Larsen e Marco Pasi. 2016. Georgiana Houghton: desenhos de espírito. Londres: Pul Holberton.

Introvigne, Massimo. 2017. “Espiritismo e artes visuais” Projeto de Religiões e Espiritualidades do Mundo, Agosto 2. Acessado de https://wrldrels.org/2017/08/02/ spiritualism-and-the-visual-arts/ em 23 2017 outubro.

Peiry, Lucienne. 2001. Art Brut: as origens da arte do estranho. Tradução de James Frank. Paris: Flammarion.

Rhodes, Colin. 2000. Arte Outsider: Alternativas Espontâneas. Londres: Tamisa e Hudson.

Tibet, David e Henry Boxer, eds. 2013. Myrninerest. Londres: a esfera.

Wojcik, Daniel. 2016. Outsider Art: Visionary Worlds and Trauma. Jackson: University Press of Mississippi.

 

5-      CONCLUSÃO DA AVALIAÇÃO

 

Em virtude da história da vida e escassez de obras do artista há potencial de valorização nos patamares expostos no presente trabalho.

Nestes termos, feito todas as considerações e metodologia, firmamos a avaliação da presente obra, para ono de 2020 no valor de USD 300.000(trezentos mil dólares americanos).

 

6-   CURRICULUM DO AVALIADOR

 

Angel Enrique Garrido, argentino, divorciado, jornalista, portador do RNE n. U1020580, inscrito no CPF sob o n. 169.388.126-45, endereço eletrônico: enriquegarrido5@hotmail.com, galerista (galeria Bureau – SP), agente conveniado da Christies e Sothebys, curador ou assessor de diversas exposições realizadas no Brasil e no Exterior ( Instituto Histórico e Geográfico de São Vicente – exposição de obras de arte da Hebraica – governo do Paraguai, etc. ), certificador de autenticidade de diversas obras de arte de coleção privada ou de galerias no Brasil e no exterior (Paris- França), perito oficial exclusivo registrado no Ministério da Cultura do Paraguai. Realizador da maior venda de obras de arte efetuada no brasil naquela data, negociadas no Banco Piquet na suíça… etc.

 

 

Add your thoughts

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Leilão Beneficente

Em breve traremos novidades sobre a data e local do leilão, fique ligado, e acompanhe diariamente as novidades que colocamos a disposição de vocês.